2.20.2011

Sobre Premiações e Minhas Vãs Expectativas


Bem... Primeiramente, quero me desculpar com a única pessoa que deve ler esse blog (além da minha mãe, é claro, que lê quando eu mostro para ela...). Estive ausente e deixei passar coisas importantes como Globo de Ouro, SAG, Palm Springs Festival, estréias de filmes incríveis... Inclusive, tenho várias críticas de filmes para postar aqui... Mas, vamos ao que está mais eminente, certo?

Para começo de conversa, devo deixar bem claro que sou a maior sucker por Premiações que existe na face da Terra. Emmy, Globo de Ouro, SAG, Grammy, MTV Movie Awards, VMA, Prêmio Contigo!... Qualquer coisa que envolva troféus e discursos, e claro, um bom tapete vermelho...

Mas, devo admitir que acima de qualquer premiação há aquela que domina meu coração. Desde os 5 anos sou obcecada pelo Oscar. Não que eu ainda considere o Oscar o prêmio mais justo do cinema, no sentido de capacidade de avaliar a qualidade real dos filmes, mas considero sim, uma festa importantíssima, de tradição e que sim, se firmou, como prêmio mais importante da indústria (claro, para o grande público, e não me venha fazer careta e dizer que Festival de Veneza ou de Berlim são mais importante, seu pseudoposer...)

Com a cerimônia se aproximando (uma semana!), resolvi fazer minha avaliação dos indicados nas categorias principais e dar meus palpites, pitacos e fazer minhas já costumeiras reclamações (minha irmã que o diga!).

A cada dia falarei sobre uma categoria... Vamos começar pela parte mais esperada da noite e que geralmente é super corrida, por ser a última categoria apresentada, mas EU vou dar toda a atenção que a categoria merece!

(QUERO DEIXAR CLARO QUE ESTAS OPINIÕES QUE VOU EMITIR SÃO MINHAS OPINIÕES E QUE NINGUÉM É OBRIGADO A CONCORDAR COMIGO, E QUE COMENTÁRIOS, EDUCADOS, DISCORDANTES SÃO BEM-VINDOS, SIM!)

MELHOR FILME
Bem... Para essa categoria meu coração fica triste de ver que o filme incrível da Sofia Coppola, "Somewhere" (pt: Um Lugar Qualquer), que inclusive ganhou o Leão de Ouro em Veneza, e criou a maior polêmica com boatos de nepotismo por parte de meu querido Quentin Tarantino, foi solenemente ignorado pela Academia e seus votantes. Bem, por que será?? Será que Toy Story 3 realmente merecia essa vaguinha? Será que não era mais justo dar a ele sua vaga de direito na disputa por Filme de Animação, onde há chances claras de vitória e não dar essa vaga café-com-leite em Melhor Filme, afinal, quem aí acha que Toy Story 3 tem chances de levar??

Mas, vamos falar do que está na corrida, certo? Minha torcida vai de corpo e alma para The Social Network (pt: A Rede Social). Sim, o filme do Facebook. Vai... Me critica, vai...

A Rede Social
Meus motivos são simples e claros: direção genial, David Fincher tornou um filme que podia ser bem idiota, digno de Sessão da Tarde num filme incrível e interessante, onde até Justin Timberlake, que é péssimo ator, consegue se dar bem. Atuação impecável de Jesse Eisenberg, sobre a qual falarei posteriormente. Roteiro bem amarrado de Aaron Sorkin, sobre o qual também falarei depois. E diálogos dignos de quotes (citações) eternas, como a frase de Andrew Garfield (gritinhos novamente) para Jesse Eisenberg no momento em que percebe que foi deixado de lado pelo amigo. Genial, genial! Ainda dou crédito ao filme pelo descobrimento de Armie Hammer, que como os gêmeos Winklevoss está incrível e juro que só depois de ver o filme descobri que era só um cara fazendo os dois. Para mim só não é mais perfeito por não ter Power, do Kanye West, na trilha, como a propaganda brasileira colocou, que ficou demais! Afinal, "no one man should have all that power..."

Cisne Negro
Minha segunda opção seria Cisne Negro. Daren Aronofsky, Natalie Portman, Vincent Cassel e Barbara Hershey fazem o filme! Além da incrível fotografia, que é feita pelo mesmo cara que faz as dos filmes do Spike Lee, Matthew Libatique! Roteiro doido, no melhor sentido da palavra. Darren solta seus demônios na plateia e não se desculpa por isso, muito menos se explica. Ele cria esse inferno psicológico à nossa frente e se diverte com isso. A câmera nervosa, frequentemente em primeira pessoa nos deixa angustiados, como se estivéssemos vivendo a loucura de Nina, personagem de Natalie. Natalie está tão incrivelmente linda e doida que nem sei o que dizer... O ar me falta! Amo Natalie Portman, acho ela uma das mais incríveis atrizes da atualidade que sabe unir aquela aura de delicadeza e elegância com ousadia e poder, de forma sutil e confiante. Sua Nina mergulha ao inferno, que para mim é como ver Aronofsky tomando Natalie pela mão e levando-a à completa libertação de todos os pudores e preceitos. Aliás, todo o elenco está afiado, e parece muito seguro do direcionamento de Daren, até mesmo Wynona está bem. Minha única ressalva é Mila Kunis, não entendi todo o buzz em volta dela. Ok, ela é bonita. Mas no filme ela não poderia ser mais inútil, na minha opinião. Ela aparece em 40% do filme, sendo sempre humilhada (na atuação) por Natalie. Se fosse para indicar alguém do filme para atriz coadjuvante, por favor, a vaga seria de Barbara Hershey, a mãe obcecada e controladora de Nina. A obssessão da mãe pela filha, que mais se parece que com algo que estudantes de psiquiatria leem nos livros de início de curso, é medonha. Barbara dá o tom certo ao amor que beira à psicose. E todas as cenas dela com Natalie são demais. Vincent é Vincent, e creio que só minha irmã entenderá essa frase... Desde À Deriva que criei um carinho especial por ele, e além de tudo sua experiência como cria de dançarino lhe dá total segurança e credibilidade. Filme de gente grande!

O Discurso do Rei
Este é o filme que mais me irrita na categoria. The King's Speech (pt: O Discurso do Rei) para mim é o filme mais força do ano. Tom Hooper, que dirige o filme com a habilidade de um garoto de 18 anos recém-saído da escola de cinema, não sabe dirigir seus atores, deixando tudo nas mãos deles, o que deixa o filme sem foco. Colin Firth, favorito ao Oscar de Melhor Ator, está sólido como o rei gago e tímido, porém não acho que mereça todos os louros que está recebendo (que mais me parecem uma correção ao esquecimento que recebeu no ano passado, por seu papel incrível no A Single Man - pt: Pelo Direito de Amar, o que causou um terrível efeito dominó na categoria de Melhor Ator que falarei posteriormente), Helena Bonham sempre está exagerada na minha opinião, e a única pessoa que realmente está 100% é Geoffrey Rush, que para mim é sempre irretocável. E se fosse para indicar alguém a Melhor Ator, indicasse o Sr. Rush, que humilha Firth a cada cena que tem juntos (quase todas)! O roteiro é fraco, as atuações estão all over the place e a direção é irregular. Isso para mim não é receita de um filme ganhador do Oscar, mas parece que o curso da história será outro, enfim, acho que a Academia mais uma vez se perde na escolha do ganhador, se deixando levar por tradição no lugar de inovação e habilidade. The King's Speech é um filme razoável que teve extrema sorte ao cair nas graças dos críticos e votantes de premiações, resta saber se os membros da Academia serão (tomara) imunes ao feitiço do filme ou cairão no "encantamento" que parece ter dominado Hollywood.

127 Horas
A indicação de 127 Hours (pt: 127 Horas), para mim, vem quase como um simples afago ao apresentador do Oscar (WTF??) James Franco. Não me entendam mal, gostei muito do filme. Achei que James o carrega com segurança, tranquilidade e competência. Achei a história de superação tocante. Porém me incomoda muito a visão de Danny Boyle para este projeto. Não gosto de Danny Boyle. Não gosto de Slumdog Millionaire (pt: Quem Quer Ser Um Milionário?), acho sua direção falha, narcisista e até mesmo despreparada. Minha implicância só aumentou ao ver o trailer de 127 Horas que antes de mostrar o filme discorria sobre os "grandes feitos" cinematográficos do diretor. Um mérito do filme para mim é manter o ritmo do desespero de Aaron (James Franco), o que mantém o público grudado para ver o que vai acontecer, mesmo já sabendo qual será o fim da história.
Bom filme, apesar da direção. Não acho que leva, mas se levar não ficaria surpresa.

O Vencedor
Esse filme me irrita muito pela atitude de todos em relação a ele, todo o buzz. Primeiramente, acho Christian Bale péssimo ator. Acho que sua atitude fora das telas só piora as coisas. Odeio ele em Batman, odeio ele em tudo. O acho inexpressivo e irritante. The Fighter (pt: O Vencedor) é o típico filme "biográfico" de lutadores/esportistas do ano. A Academia adora isso, vive para esses momentos. Não acho um bom filme, mas também não acho ruim. Não leva o Oscar. 

A Origem
A Origem é um filme complicado para mim. Amei o filme. Amei mesmo. Achei o roteiro super doido e inteligente. Acho que Nolan é um bom diretor. Amo Joseph Gordon-Levitt. Mas ODEIO o Leonardo DiCaprio. Gente, o cara é super canastrão! Tudo que o DiCaprio tem é sorte! Os últimos filmes dele são tão bons por causa dos ótimos diretores e elenco, gente! A Origem estar indicado, para mim, é o pedido de desculpas da Academia, por não ter indicado Batman no ano retrasado. Não acredito nas chances.

Minhas Mães e Meu Pai
Minhas Mães e Meu Pai concorre na categoria "vamos ajudar a comunidade", todo ano a Academia escolhe um filme de cunho "social" e dá uma mãozinha. E a bola da vez é Minhas Mães e Meu Pai. O filme bonitnho e bem feito estrelado pelas ótimas Annete Benning (que tem meu carinho e respeito, em parte por ser casada com Warren Beatty, que eu adoro), Julianne Moore (injustuçada sem um Oscar ainda) e Mark Ruffalo (que depois de muitas atuações boas, porém ofuscadas, cresce e aparece). Mas, não julgo que o filme tenha chances de ganhar, é o típico "better luck next time".

Toy Story 3
Amo a Disney, amo desenhos. Amo toy Story. Mas vamos ser sinceros, quem acha que a saga de Woody e seus amigos tem chances de brigar com todos os outros filmes da disputa? Achei bobeira da Academia indicá-lo a melhor filme, quando o Oscar de Animação já estaria no papo.

Bravura Indômita
Amo os Coen, acho-os grandes gênios, mas como todo gênio, não podem passar sua genialidade por osmose. Acho True Grit (pt: Bravura Indômita) um bom filme, mas não acho que seu elenco (irregular, na minha opinião) possa ser ignorado. A menina Hailee Steinfeld está sólida, segura e competente, olho nela para Atriz Coadjuvante! Mas Josh Brolin e Matt Damon me dão arrepios com seus personagens acima do tom!

Inverno da Alma
Por fim, Winter's Bone (pt: Inverno da Alma) chega para ser o Precious do ano. Adolescente, mãe catatônica, pai bandido, irmãos pequenos, tio esquisitaço. A fórmula perfeita para ser o filme "olha como a verdade é triste" que a Academia sempre gosta de indicar. Sempre brinco dizendo que com um filme desses até consigo levar o Zac Efron para o Oscar! Voltando ao filme, Jennifer Lawrence mostra que tem capacidade de ser a protagonista e suas cenas com a mãe são sempre interessantes. John Hawkes também ganha a tela com seu Teardrop, um sujeito assustador na medida.


Enfim, com essas opiniões dou início à semana do Oscar aqui no blog. E deixo registrada minha torcida para A Rede Social e meu total desprezo pela suposta vitória de O Discurso do Rei.
Também deixo aqui minha vontade de ouvir a opinião de vocês.
Afinal, quem vocês acham que leva o GRANDE PRÊMIO para casa, hein?

2 comentários:

Octavio Aughusto disse...

Bom ... eu só assisti "Black swan" e "The social network". Gostei muito de ambos, mas, para melhor filme eu gostaria que "Black swan" levasse.
Natalie Portman, cara. Natalie Portman ...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

O blog está muito interessante.
Bravo!
Cumprimentos cinéfilos!

O Falcão Maltês